domingo, 7 de agosto de 2016

PEDRO NA PELE DE OVELHA

HUGO VAZ
As últimas afirmações de Pedro Passos Coelho têm um enorme grau de, atrever-me-ei a dizer, de gigantesca hipocrisia. Como já aqui escrevi Pedro Passos Coelho anda desorientado, mal assessorado, mas acima de tudo numa fevrosíssima luta pela sua sobrevivência politica.

Os restantes lobos da alcateia fingem agir em conjunto, mas a verdadeira intenção deles, é permitir um ataque isolado ao "líder" que tendo vindo a ser ferido e estocado de forna cada vez mais profunda, apenas aguardam o seu definhar.

Pedro Passos Coelho ousou tocar no tema que mais sofrimento, dor, fome e desgraça trouxe a este pais, o apoio aos mais desfavorecidos. 

Ter-se-á Pedro Passos Coelho esquecido de quem apoiou aquando das crises bancarias?

Ter-se-á Pedro Passos Coelho esquecido de quem apoiou aquando dos benefícios fiscais aos grandes capitais? 

Ter-se-á Pedro Passos Coelho esquecido de tudo aquilo que fez a classe trabalhadora portuguesa? Transformando-a em apenas mais de obra barata europeia como acontece no sudoeste asiático? 

Ter-se-á Pedro Passos Coelho se esquecido de da subserviência ao capital, sendo sem dúvida o ÚNICO primeiro ministro que colocou os interesses económicos à frente dos interesses dos seus concidadãos? 

Ter-se-á Pedro Passos Coelho esquecido dos valores a que chegaram os indices de pobreza, desemprego, pobreza envergonhada durante o seu mandato? 

Ter-se-á Pedro Passos Coelho esquecido de que passamos "quase" de um estado social que olha para os seus, para um estado em que os mais abastados "misericordiamente" dão migalhas aos mais desfavorecidos?

Eu até posso compreender Pedro Passos Coelho na sua tática politica, estancar com este discurso absolutamente ignóbil a drenagem de votos do psd para o cds. 

E do que dizer, na minha opinião, do pior primeiro ministro da nossa historia dos últimos 42 anos, em que defende em conselho de estado sanções para Portugal? Será a assunção de culpa por tudo aquilo que permitiu que Pedro Passos Coelho fez e se esta a auto condenar e auto flagelar da historia horribilis das suas presidências e decisões como primeiro ministro? 

Mas voltemos ao "cherne" da questão...O Psd nacional vive um clima fratricida, dilacerando em lume brando o seu líder ate as próximas autárquicas. Porque de uma coisa não tenham duvidas, PS VAI GANHAR as próximas autárquicas, nem que seja por mais 1 voto, a base da democracia. Ganharemos umas, perderemos outras, mas a questão é que cada vez mais o PS se afirma como um partido de base, desde as freguesia, passando pelas autarquias, as regiões, refletindo se isso na qualidade da sua governação, pelas pessoas e para as pessoas. 

Nunca pelo capital sacrificando as pessoas e o seu trabalho. 

António Costa é a prova de um autarca, com provas mais que dadas, que chega ao governo de forma LEGÍTIMA, e aplica variadíssimas premissas experienciadas na autarquia de lisboa. Poderão dizer que uma autarquia não é um país. 

Mas o sentir as pessoas, os seus problemas, as suas necessidades, os seus ensejos, perceber o que faz a diferença será tudo aquilo que o Pedro Passos Coelho nunca terá ou conseguirá. 

Alias, tal como na lei francesa sou adepto de que se se pode candidatar a primeiro ministro quem já passou pelos orçamentos apertados, pelo coração apertado de tentar resolver rapidamente o problema das populações. António Costa possui todas essas e muitas mais qualidades. Tem defeitos como todos nós, mas sente o pulsar da sociedade que nunca Pedro Passos Coelho conseguirá fazê-lo. 

Por isso vos digo, porque Portugal precisa de uma oposição digna e construtiva, Pedro Passos Coelho veste hoje a pele de ovelha e ao contrário do conto popular, está rodeado de lobos que não hesitarão em o maltrapilhar. 

O PS promete, o PS cumpre. 

Portugal será mais igual com António Costa e só perde em ter uma oposição em que a líder do CDS "rouba" o papel de principal oposição ao governo e é isso que aflige Pedro Passos Coelho.

Sem comentários:

Enviar um comentário